segunda-feira, 18 de abril de 2011

Como foi o show do Roxette em BH


Marcado para as 19h, o show começou com 45 minutos de atraso. Era visível a ansiedade do público que lotou o Chevrolet Hall (os ingressos chegaram ao 5° lote!).

Assim que as luzes se apagaram e a dupla subiu ao palco, a gritaria começou. E em 1 hora e 45 minutos de show, com direito a dois "bis", fomos agraciados com uma série de hits. Coisa pra fã nenhum botar defeito.

Marie Fredriksson e Per Gessle mostraram por que ainda têm fôlego pra segurar uma plateia ávida por música pop. Sucessos dos anos 80 e 90 estiveram lá, como It Must Have Been Love, Listen To Your Heart, How Do You Do, Joyride, Sleeping In My Car, Wish I Could Fly, entre outros tantos, com direito também a faixas do último CD, Charm School.

Per Gessle deu show. Carismático, ele esbanjou energia, não parando um só minuto. Já Marie foi mais contida. Me assustou um pouco sua aparente fragilidade e envelhecimento. Muito magra, parecia que ela não ia dar conta do recado. Mas deu. Mesmo sem toda a potência de voz de outrora, ela mandou bem, ajudada por uma backing vocal de timbre bastante parecido com o dela. Mérito de quem lutou por muito tempo contra um tumor cerebral.


A banda de apoio também teve bons momentos, como quando entoou o hino de Minas Gerais com riffs de guitarra. O final é que deixou um pouco a desejar: ao invés de terminarem "pra cima", eles optaram pela lenta Church Of Your Heart, o que, querendo ou não, baixou a energia do público.

Mas foi um showzaço, digno de quem não se apresentava em BH há 16 anos. A seguir, alguns vídeos que eu fiz durante o show. Espero que gostem!











Um comentário:

  1. Ai, eu perdi esse show, mas perdi com o coração na mão. Queria MUITO ter estado lá.

    Vi seu vídeo de Wish I Could Fly e olha, essa música é linda. Só senti a Marie meio paradona.

    ResponderExcluir